segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

O que suas fezes dizem sobre a sua saúde?

Viemos aqui para tratar de mais um assunto polemico, que muitos têm vergonha de falar, sobre nossa saúde: Fezes, ou os populares cocô, merda, tolete, popô, etc.
Pois caso você não saiba, a cor, consistência e até o cheiro podem indicar problemas de saúde.



A cor das fezes, assim como a sua forma e consistência, refletem a qualidade da alimentação ou indicam alguma doença que pode estar se instalando no corpo, como hepatites ou até mesmo uma úlcera gástrica.
A alimentação determina a cor das fezes e também as suas textura e consistências, além do tipo de bactérias que tendencialmente está fermentando as fezes e, como consequência, os nutrientes que serão absorvidos, sendo este um dos motivos que torna a alimentação diversificada muito importante para a nossa saúde.

Mas chega de introdução e vamos logo para as informações principais, para você identificar, depois daquela bela cagada, o que seu cocozinho ta querendo lhe dizer.

COR:

As fezes normais devem ser de coloração acastanhada e com textura moldada e macia. Quando as fezes são difíceis de fazer, causam dor ou sangramento e têm um aspecto seco ou em forma de bolinhas, geralmente indica prisão de ventre.
As variações de cores ocorrem conforme o tipo dos alimentos, a quantidade de bile, produzida pelo fígado e que irá digerir as gorduras, e eventualmente alguma doença.
A cor das fezes pode variar pontualmente, de acordo com a dieta. É o caso da ingestão do açaí, ou da beterraba, que torna as fezes mais avermelhadas ou com um tom castanho mais escuro, por exemplo.



Fezes verdes:

As fezes verdes podem ser resultados do consumo de suplementos alimentares, ou a ingestão de muitos alimentos verdes, como couves ou brócolis, que têm muita clorofila. Outras causas das fezes verdes, e que devem ser tratadas, podem ser:

- Síndrome do intestino irritável

- Intoxicação alimentar

Fezes claras:

As fezes claras podem ser sinal de má absorção dos nutrientes da dieta e, em geral, estão relacionadas à presença de gordura nas fezes. Elas podem significar:

- Hepatite

- Síndrome de má absorção

- Giardíase (diarreia amarelada)

Fezes escuras:

As fezes escuras ou negras são, geralmente, acompanhadas por um odor muito mais fétido do que o normal e podem ser sinal de sagramento em algum lugar ao lingo do sistema digestório, geralmente no início do tupo digestivo, porque o sangue é sinal de ter sido digerido. As possíveis causas das fezes escuras podem ser:

- Uso de suplementos ou alimentos ricos em ferro

- Sangramento de úlcera gástrica

- Sangramento de varizes esofágicas (na doença hepática crônica)

Em caso de fezes escuras e fétidas, deve-se procurar com urgência um gastroenterologista para examinar o paciente e descobrir a causa, o local do sangramento e instituir tratamento.

Fezes com sangue:

Não é normal apresentar sangue nas fezes - é um cenário que deve sempre ser investigado por um médico. Pode ser um problema simples, como um sangramento de hemorroidas internas, mas também pode representar alguma inflamação com erosões ou úlceras, como no caso da retocolite e doença de Crohn. Além disso, sangue nas fezes pode indicar a presença de algo mais sério, como algum tumor. Quando o sangue é vivo, geralmente é sinal de sangramento mais baixo, como do cólon ou ânus.

Consistência:

A consistência das fezes sugere o quanto elas demoraram a ser evacuadas. Fezes que demoraram dias passam a ter seu componente de água reabsorvido pelo organismo e, portanto, ressecam mais, ficando bastante endurecidas. No caso das infecções intestinais, a passagem das fezes é bem mais rápida e não há a correta absorção de água, gerando as diarreias. Ou seja, se muito duro, passou muito tempo no intestino, se mole, não absorveu direito a água e nutrientes das fezes. A consistência ideal é de pastosa a moldável, devendo se adaptar ao canal do ânus sem machucar.



Odor:

É certo que o cheiro das fezes não é dos mais agradáveis, uma vez que as bactérias do intestino geram compostos sulfurosos após digerir os alimentos. Entretanto, a intensidade do odor pode variar muito conforme aquilo que comemos. No geral, o consumo de carne vermelha ou alimentos condimentados pode gerar fezes com um odor mais acentuado. As fezes de uma alimentação saudável e equilibrada devem apresentar um cheiro característico, mas nada que deixe o banheiro interditado! O odor fétido pode indicar infecções ou inflamações, já que não há a completa digestão dos alimentos. Há também as fezes que ocorrem após um sangramento no estômago, que tem um mau cheiro fortíssimo.

Formato:

Os vários formatos das fezes não indicam, na imensa maioria, algum tipo de doença, a depender também da cor e consistência. "Entretanto, as fezes saudáveis no geral são cilíndricas a alongadas", ressalta o gastroenterologista Guilherme. Fezes cortadas, em "bolinhas", acontecem nas constipações crônicas, podendo ser sintoma de diverticulites, colites ou até mesmo um tumor. Além disso, as fezes disformes e liquefeitas acontecem nas diarreias, e as fezes muito finas podem indicar que você está fazendo força demais para evacuar, contraindo o esfíncter mais do que deveria.

Afunda ou Boia:

Fezes saudáveis no geral devem afundar. A maior parte da massa fecal é constituída de bactérias da flora, fibras e água, e essas afundam. O que determina se boia ou não é o teor de gordura: quando em excesso, as fezes tendem a boiar. A concentração de gases nas fezes também pode fazê-las boiar, e isso é resultado da ingestão de alguns alimentos, como brócolis, feijão e repolho.
O que determina se boia ou não é o teor de gordura: quando em excesso, as fezes tendem a boiar. Mas dependendo da textura, cor e consistência, as fezes que flutuam na sanita pode ser resultado de uma alimentação saudável e rica em fibras.

Frequência:

Tudo depende da quantidade de fibras que comemos e dos próprios movimentos intestinais. A prisão de ventre é a situação na qual o paciente não consegue evacuar um mínimo de duas a três vezes por semana. A constipação pode estar relacionada à dieta, doenças do assoalho pélvico, falta de relaxamento muscular, obstrução do aparelho intestinal ou mesmo adiar a ida ao banheiro. Uma frequência considerada dentro do ideal fica entre três vezes ao dia até uma vez a cada três dias. Essa porém não é uma definição rígida, havendo pessoas normais que fogem do padrão.

Sintomas como cólicas, gases com aroma fétido e barriga inchada podem ser uma indicação de que alguma coisa não está bem no processo de digestão. Algumas vezes, uma alteração na dieta alivia bastante esses sintomas.

Cor das fezes do bebê:

As fezes do bebê, quando nasce, tem uma coloração escura esverdeada e um textura pegajosa e elástica, que se chama mecônio. Durante os primeiros dias, a cor das fezes do bebê se torna mais esverdeada e depois mais clara, de acordo com a quantidade de gordura e água presente no leite que ele toma. Geralmente, as fezes costumam ser aguadas, com alguns grumos, lembrando a aparência das fezes dos patos ou galinhas.

Durante os primeiros 15 dias é comum que os bebês evacuem fezes líquidas de 8 a 10 vezes por dia, ou todas as vezes que mamarem. Quando a mãe tem prisão de ventre, é possível que a criança passe mais de um dia sem evacuar, mas, quando evacuar, as fezes devem ter o mesmo aspecto aquoso e com grumos.

Aos 6 meses, ou quando o bebê começa a alimentação diversificada, as fezes voltam a mudar de cor e consistência, se tornando mais parecidas com as fezes de uma criança ou adulto, tanto no que diz respeito à cor, como à consistência e aroma. Isso porque a capacidade digestiva já começa a ser mais complexa e os alimentos que ele ingere são cada vez mais parecidos com os alimentos do resto da família.


Bom, espero que essa postagem tenha tirado suas duvidas, mas o melhor mesmo sempre é procurar um médico.