quarta-feira, 29 de agosto de 2012

54 Anos de Michael Jackson



Michael Joseph Jackson, nascido em 29 de Agosto de 1958. Foi um cantor(considerado o Rei do Pop), compositor, dançarino, produtor, empresário, arranjador vocal e filantrópico norte-americano. Segundo a Revista Rolling Stone faturou em vida cerca de US$ 7 bilhões de dólares, fazendo dele o artista mais rico de toda a história, e um ano após sua morte faturou cerca de US$ 1 bilhão de dólares. Era fraco o rapaz, hein?!



Michael Jackson esteve 3 vezes no Brasil. A primeira vez em que Jackson veio ao Brasil foi em setembro de 1974, quando se apresentou com os irmãos no então grupo Jackson 5, durante uma turnê pela América Latina. Na época ele tinha apenas 16 anos, apresentando-se em São Paulo, Brasília, Porto Alegre, Rio de Janeiro e Belo Horizonte além de se apresentar para a Rede Tupi.




A segunda vez foi em outubro de 1993 na ocasião Michael fez dois shows com os ingressos esgotados no Estádio do Morumbi, pela Dangerous World Tour. O cantor retornou ao país já conhecido como o "rei do pop". Jackson visitou uma fábrica de brinquedos, quando um dos veículos de sua comitiva atropelou dois irmãos. Michael visitou o rapaz que havia sido atropelado por sua comitiva e quebrou a perna no hospital. Muitos comentários surgiram na internet de que a Rede Globo teria os direitos autorais da apresentação inteira. Muitas versões piratas da apresentação estão disponibilizadas na internet. As duas primeiras músicas do setlist: "Jam" e "Wanna Be Startin' Somethin'" foram disponibilizadas oficialmente.
Na sua última passagem pelo Brasil, Michael gravou o clipe da canção "They Don't Care About Us", no Pelourinho, em Salvador e na Favela Dona Marta na cidade do Rio de Janeiro. Na capital baiana Michael convocou a banda afro Olodum para tocar percussão pelas ruas do Pelourinho.




Antes de gravar o clipe, a equipe do cantor teve que pedir autorização ao traficante Marcinho VP. Na época, a autorização dada pelo traficante causou mal-estar. O então chefe da Polícia Civil, delegado Hélio Luz, chegou a chamar Lee de "otário", por ter pago ao tráfico pelo serviço. "Fiz a coisa certa. A polícia não poderia garantir a nossa segurança ou a de Michael Jackson", reagiu Lee, na ocasião, que não revelou quanto foi gasto no "aluguel" da locação.
Michael caminhou livremente pelos becos, sempre acompanhado por 60 homens - que teriam sido selecionados pelo tráfico. Outra foi o fato que autoridades da época não queriam que o vídeo fosse gravado, pois temiam que ele denunciasse a pobreza do local e mostrasse as falhas do governo.



Uma estátua de bronze de Michael Jackson foi erguida no mesmo local onde o cantor gravou cenas do videoclipe um ano após sua morte. A obra, produzida pelo artista plástico Estevan Biandani, retrata o cantor com o mesmo visual do clipe em 1996, olhando pela favela. A laje também ganhou um mosaico do cantor feito pelo artista plástico Romero Britto. O espaço que antes já era chamado de "Laje Michael Jackson", recebeu o nome do cantor oficialmente.